A apneia obstrutiva do sono e o ronco são problemas mais comuns do que se imagina, já que nem sempre as pessoas têm a consciência de que esses quadros se repetem enquanto dormem. Ainda que pareçam inofensivos, eles podem trazer uma série de consequências para a saúde bucal e qualidade de vida do paciente. A boa notícia é que o aparelho de avanço mandibular pode ajudá-lo no tratamento desses problemas e combater os ruídos que insistem em incomodar durante à noite. Para esclarecer todas as dúvidas sobre o assunto, o Sorrisologia conversou com a ortodontista Andreia Cotrim. Confira a seguir!

Como funciona o aparelho de avanço mandibular?

Diferente dos aparelhos ortodônticos normais, o aparelho de avanço mandibular é intra-oral e, por isso, é um tratamento menos invasivo e mais aceito pelos pacientes com problemas de ronco e apneia obstrutiva do sono. Segundo a especialista, o item é uma maneira eficaz de melhorar a qualidade do sono do paciente e, consequentemente, amenizar o ronco e a apneia. “Eles são ancorados nos dentes e mantém a mandíbula em uma posição anterior e aberta verticalmente, o que traciona para a frente a base da língua e os tecidos moles faríngeos, diminuindo a obstrução da passagem de ar pela via respiratória durante o sono”, explica Andreia. Além disso, a ortodontista também revela que o aparelho de avanço mandibular pode ser um bom aliado para pacientes com idade mais avançada. “O acessório ajuda em quadros comuns na terceira idade, como a diminuição do tônus da musculatura orofaríngea e na redução da perda dentária”.

Qual a relação do ronco e da apneia com a saúde bucal?

Ninguém pode negar: roncar é algo um tanto desagradável. Ainda assim, o ronco em si não oferece riscos à sua saúde bucal. Por outro lado, a apneia obstrutiva do sono pode provocar consequências sérias à sua boca. O aumento no índice de doenças periodontais, por exemplo, é uma delas. Isso porque o paciente com essa condição dorme de boca aberta, diminuindo o fluxo salivar, deixando a mucosa oral ressecada e, consequentemente, aumentando as doenças gengivais, como a gengivite e a periodontite.

Entenda os efeitos colaterais do acessório no tratamento do ronco e da apneia obstrutiva do sono

Ainda que o tratamento seja bastante eficaz, Andreia destaca que alguns efeitos colaterais podem existir durante os primeiros 15 dias de adaptação ao aparelho. “Ao manter a mandíbula em posição mais anterior, alguns pacientes podem sentir dores causadas pelas disfunções temporomandibulares”. Entretanto, a especialista explica que a dor não é passageira e, por isso, não é preciso entrar em pânico. Além disso, é importante ressaltar que a qualidade de vida dos pacientes é melhora de forma significativa durante o tratamento, principalmente nos casos de apneia moderada ou grave.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Andréia Cotrim Ferreira - Ortodontista
São Paulo - SP
CRO-SP: 39000