A grande preocupação em saúde bucal da maioria das pessoas está ligada à estética de seu sorriso. De fato, ficar sem um ou mais dentes na boca está fora de cogitação. Entretanto, existem casos em que uma extração de dente é inevitável - sempre lembrando que somente um dentista pode determinar a realização de uma extração dentária. Por ser tratar de um procedimento cirúrgico, será que existe algum risco devido à idade do paciente? Confira as explicações da profissional Thalita Costa sobre essa dúvida recorrente.

Quais fatores podem levar a uma extração de dente?

Em alguns casos, é necessário que o paciente tenha que recorrer a uma extração de dente. Mas antes dessa decisão, o dentista vai analisar o quadro, histórico médico e radiografias, afinal, a prioridade é sempre manter o elemento dentário. Se o dentista chegou à conclusão de que a extração é a única saída, fique tranquilo, pois ele sabe o que está dizendo e fazendo.

E quando é que um dente deve ser extraído? Thalita listou exemplos. “Traumatismo dentário, cáries radiculares, fratura dentária, tratamento ortodôntico, sisos que não cabem na arcada ou não têm seu antagonista, dentes supranumerários, periodontite em que o tratamento periodontal é inviável, mobilidade dentária extrema, cistos, dentes inclusos e impactados, tratamento protético complexo, questões financeiras e falta de orientação”.

O objetivo de uma extração de dente

Primeiramente, vale ressaltar que o procedimento deve ser realizado por um profissional da área. Isto traz maior segurança ao paciente, entendendo que aquela foi a melhor solução encontrada e será orientado a como encaminhar com o tratamento. “A finalidade da extração, de modo geral, é restabelecer a harmonia oclusal”, explica a dentista. Dessa maneira, a retirada do dente contribui para a saúde bucal, como por exemplo para a organização de uma mordida correta e uma adequada dimensão vertical.

A extração pode ser feita em qualquer idade?

Nos casos de extração dental, a idade não é um fator de risco. “Sabemos que conforme o avançar dos anos, começam a aparecer algumas doenças”, ressalta Thalita. Isto é, quadros de doenças sistêmicas e medicamentos podem influenciar o momento da cirurgia. Elas podem ser apresentadas por pacientes de qualquer idade, e cada um demandará uma tipo de controle e maneira de conduzir o procedimento indicado. A saúde e imunidade são grandes aliados para um melhor pós-operatório.

Confira exemplos de doenças que podem ser um risco para o procedimento

Assim como a maioria dos procedimentos dentais, o quadro de saúde do paciente é um dos fatores que influenciam. “As doenças sistêmicas e medicamentos que esse paciente carrega consigo podem influenciar na hora da cirurgia”, ressalta a dentista. Para completar, a odontologista destaca os casos de pacientes que demandam uma maior atenção, como os que apresentam risco de trombose e AVC. Geralmente, eles fazem o uso de ácido acetil-salicílico, que proporciona um maior risco de hemorragias em cirurgias. Por isso, para evitar complicações em situações como essas é de suma importância informar ao profissional.