O novo e o tradicional estão sempre disputando espaço. Com a odontologia, não é tão diferente. A tecnologia vem avançando tanto que chegou na higiene bucal, com o uso da escova de dente elétrica. Com um misto de conforto e comodidade, muitas pessoas acabam optando por essa ferramenta na hora de fazer a limpeza. Mas será que, por ter tanta tecnologia, ela acaba sendo mais eficaz do que a escova tradicional? A dentista Thalita Costa explica se é mito ou verdade.

Ela é mais eficiente do que a manual?

Quem nunca ficou na dúvida ao escolher uma escova de dentes? No mercado, existem várias delas com design e indicações diferentes. Algumas possuem cerdas que sinalizam o tempo que precisam ser trocadas, outras até deixam sua gengiva mais saudável. Entre todos esses modelos, existe a elétrica, que veio para facilitar a higiene bucal e otimizar o tempo da limpeza. Porém, não existe essa história de que uma é melhor que a outra. Se as duas forem bem utilizadas, terão o mesmo efeito: dentes bonitos e saudáveis. “O paciente pode comprar a escova mais cara do mercado, mas se não souber utilizá-la terá um resultado negativo”, garante a profissional.

Para ter uma higiene sempre eficiente, visite seu odontologista e busque novas dicas para aprimorar o ritual. “Sempre pergunte ao seu dentista como se escova os dentes e onde você está pecando na escovação”. Não tenha vergonha de tirar dúvidas. Embora pareça um ritual bem simples, precisamos saber se estamos praticando da maneira correta.

A diferença entre as duas

A escova elétrica tem um design próprio com cabeça redonda e cerdas que rodam em diferentes inclinações. “Basta apoiar entre a gengiva e o dente e fazer um pequeno movimento de vai e vem”, indica Thalita. Não precisa aplicar força ou ficar muito tempo no mesmo lugar escovando, isso pode causar abrasão e sensibilidade dentária. Basta correr as cerdas sobre os dentes que a ferramenta fará o restante do trabalho.

Já com a escova tradicional é preciso mostrar todas as suas habilidades manuais. “Movimentos de vai e vem onde mastigamos, movimento circulatório nos dentes que estão em contato com a língua, e movimentos de vassoura nos dentes que a ponta da língua encosta”, desenvolve a dentista.

Cenários em que a escova elétrica é a mais indicada

De fato, não há restrições de uso para a escova elétrica. As pessoas podem incluí-la na higiene bucal contanto que haja uma boa adaptação ao objeto. A profissional até ressalta a importância da ferramenta para pacientes com necessidades especiais e dificuldade motora. Neste caso, a escova é mais fácil de ser manejada, o que torna a limpeza ainda melhor.

Os pequenos também possuem uma boa relação com esse tipo de tecnologia. "A utilização de escovas manuais é muito difícil para crianças e pacientes especiais, devido a falta de habilidades durante a limpeza", afirma. Para as ferramentas tradicionais é preciso ter uma força adequada de apoio, praticar movimentos contínuos, entre outras aptidões. Já a escova elétrica é capaz de fazer todo esse trabalho praticamente sozinha e com a mesma qualidade da manual.