Existe uma fase na infância em que a criança normalmente fica muito apegada à chupeta, e, apesar disso não ser um problema à princípio, os pais e responsáveis precisam ficar de olho para que o uso do acessório não se estenda além do previsto. Isso porque o uso prolongado da chupeta pode trazer circunstâncias nada agradáveis no futuro, e ninguém quer isso, né? O ortodontista Djalma Faria conta como lidar com a situação.

5 consequências que o uso da chupeta pode trazer

De acordo com o especialista, o uso prolongado da chupeta pode trazer diversas consequências para a criança, como:

1) Mordida aberta: a criança quando oclui as arcadas, na parte posterior os dentes se encontram e na parte anterior fica um espaço entre eles, entre os superiores e os inferiores. Em alguns casos, só a remoção da chupeta já melhora essa condição, mas em muitos casos é necessária a correção com o aparelho;
2) Mordida cruzada: a arcada inferior fica mais “aberta” com relação à superior;
3) Musculatura dos lábios e língua flácidos, o que pode dificultar na sucção ao seio, na mastigação e na fala;
4) Interfere na respiração
5) Há crianças que deixam de aceitar o seio, já que o “bico” é diferente.

Esse hábito costuma ter “prazo de validade”

Apesar de ser um hábito que traz alguns malefícios, não há motivo para desespero, já que a maioria das crianças costuma parar de chupar o dedo ou usar chupetas por volta dos 2 aos 4 anos de idade. “O comportamento diminui gradativamente nesse período, uma vez que a criança gasta mais do seu tempo acordada explorando o que está a sua volta. A pressão dos colegas em idade escolar também faz com que elas parem de colocar o objeto na boca”, explica o profissional. No entanto, ele também alerta que se a criança não parar por conta própria, os pais devem desestimular esse hábito a partir dos 4 anos - mas sem pressão excessiva, ok? Isso pode acabar sendo prejudicial à criança.

Um especialista também pode ajudar

Em alguns casos, uma “ajudinha” extra de um profissional da área também pode ajudar. Uma das orientações pode ser feita justamente por um ortodontista, que deve recomendar aparelhos que impeçam a criança de levar tanto o dedo como a chupeta à boca, conforme explica Djalma. Os chamados “aparelhos impedidores de hábitos”, como, por exemplo, a grade lingual, não deixam que a criança coloque a chupeta na boca, e isso acaba funcionando como um processo de desestimulação do seu uso.

Outras dicas de como fazer a criança largar o acessório

Um método que pode funcionar é conversar com a criança sobre as consequências daquele hábito, ou até mesmo levá-la ao dentista para que ele explique o que pode acontecer aos seus dentes caso ela continue com a prática. Se isto não funcionar, vale tentar reduzir seu uso gradativamente até que a criança não sinta mais a necessidade de usar o acessório. “Caso ainda assim o hábito persista, converse com o dentista ou pediatra. Ele pode prescrever uma medicação ou aparelho para evitar a sucção”, orienta.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Djalma Faria - Ortodontista e Especialista em Visagismo Facial
Campinas - SP
CRO-SP: 59104