Eles cuidam não apenas da nossa saúde bucal, mas também da estética. São responsáveis por prevenir, zelar e tratar do nosso sorriso da melhor maneira possível. Parece exaustivo, não é? Pode até ser, mas eles garantem: não há nada que não fique mais leve com uma boa dose de amor pela profissão. Agora, se você também planeja seguir carreira nessa área, o Sorrisologia pode te ajudar. Para comemorar o dia nacional do dentista, o estomatologista Daniel Cohen fala sobre o que esperar da graduação em odontologia.

Não tenha medo de ser o primeiro dentista na família

Se o desconhecido é o que te aguarda, não se assuste em fazer seu próprio caminho. Por mais tentador que pareça escolher uma profissão baseada na influência de pais, tios ou outros parentes, é importante, acima de tudo, seguir o seu sonho. Daniel garante que não há um pré-requisito específico, a não ser o entusiasmo para estudar muito. “Claro que facilita ter alguém na família que seja dentista, mas conheço diversos colegas que não têm nenhum parente dentista e conseguiram obter sucesso com a profissão”, garante.

Dedicação nos estudos é a chave para o sucesso

Assim que a rotina de estudos começa, fica bem claro que concluir o caminho vai exigir dedicação. Quanto às principais dificuldades que os calouros enfrentam, o dentista acredita que a facilidade ao acesso de informação seja, por incrível que pareça, uma das mais relevantes. “Eu venho percebendo que nos últimos 5 anos os alunos têm apresentado certa preguiça de estudar, por acreditar que sempre que precisar terão as informações em mãos ao realizar uma busca na internet”. Por isso, Daniel complementa com um conselho: se aprofunde ao máximo em todas as disciplinas.

Um bom início pode te ajudar no futuro

É normal querer relaxar depois que o período de vestibular finalmente chega ao fim, mas o dentista explica que pode ser melhor tentar manter o ritmo de estudos nos primeiros períodos. “No fim das contas, todas as especialidades apresentam um ponto de interseção, portanto, se o aluno apresenta uma boa base desde o ciclo básico, ele conseguirá aplicar os conceitos na prática clínica diária”, afirma Daniel. Assim, na hora de começar a ter contato com os laboratórios clínicos e, posteriormente, com os pacientes, todo conhecimento aprendido desde o início fará todo sentido.

Alguns conselhos de quem já passou pelo processo

Na hora aconselhar os futuros dentistas, o especialista destaca alguns aspectos importantes: nunca deixar de lembrar da importância do que se aprenderá na universidade e sempre ver o paciente como um todo, não como apenas um ou alguns dentes. Ele explica que além de trabalhar com a saúde bucal, o odontólogo também trabalha com pessoas de diferentes hábitos, condições e particularidades. “O diagnóstico que o estudante fará no futuro, seja qual for, desde uma pequena cárie até um câncer de boca, reflete o juízo profissional a respeito do estado de saúde do paciente”. Assim, cabe ao bom dentista não só a aplicação do tratamento adequado, mas também a sensibilidade em incentivar a mudança de bons hábitos de higiene, por exemplo.

Por último, mas não menos importante, Daniel deixa uma mensagem final: nunca esquecer de trabalhar com empatia. “É a característica que, infelizmente, mais falta nos profissionais de saúde na maior parte das vezes. Sempre realize o exercício de se colocar no lugar do paciente. Pense como se você estivesse no lugar dele e, dessa forma, conseguirá realizar seu trabalho e sua missão como profissional da área de saúde”. É importante lembrar que trabalhar com sorrisos é trabalhar com felicidade. Dedique-se em melhorar o mundo ao seu redor e um futuro promissor estará te esperando.