A gengivite é uma doença bucal comum entre os pacientes, caracterizada por uma inflamação que ocorre na gengiva decorrente do acúmulo de placa bacteriana entre os dentes e a gengiva, conforme define a dentista Sofia Cabaleiro. A causa mais recorrente desse problema está ligada à falta de higiene bucal do paciente, seja pela correria ou desatenção durante a prática. É importante que a gengivite seja logo tratada para não haver uma evolução do quadro. Você sabe os meios para tratar o problema? Com as explicações da profissional, entenda como a ultrassom e raspagem podem ajudar a solucionar essa inflamação.

Gengivite: seus riscos para a saúde bucal e o coração

O estágio inicial da gengivite é caracterizado pela vermelhidão, inchaço e sangramento, e pode acontecer quando o fio dental é usado, na escovação ou até espontaneamente. “Quando não tratada pode evoluir para os estágios da doença periodontal, levando à perda óssea e um possível comprometimento das estruturas de suporte do dente”, alerta a especialista. Esse quadro mais severo da doença pode levar, como última consequência, à perda dentária. 

Além disso, as inflamações na gengiva possuem uma relação direta com doenças no coração. Fique atento em como está sua saúde bucal. “O ferimento na gengiva causado pela periodontite é a porta de entrada para a bactéria cair na corrente sanguínea e, quando isso acontece, existe o risco dessa bactéria parar no coração provocando pontos de inflamações nas artérias”, explica Sofia.

Conheça o ultrassom e a raspagem para tratar a gengivite

Pensando no bem-estar do paciente, a odontologia tem como um dos seus objetivos encontrar melhores maneiras de tratar as doenças bucais. Assim, o paciente consegue restabelecer a saúde bucal mais facilmente e dar um fim ao desconforto que estava tendo. Os avanços da área trouxeram o ultrassom e raspagem como possíveis soluções para a gengivite. De acordo com a odontologista, o ultrassom periodontal é uma ferramenta importante para tratar esse problema.

“Ele consiste em um aparelho que possui uma ponta que vibra, que são ondas sonoras de alta frequência, que ao ser colocada em contato com o cálculo (tártaro) promove sua fratura e remoção”, esclarece ela. Por outro lado, a raspagem é definida pela remoção do tártaro, de maneira manual utilizando curetas, uma ferramenta do dentista para esses tratamentos.

Todos os pacientes podem realizar esses tratamentos?

Ambos os tratamentos, o ultrassom e a raspagem, são indicados para pacientes que apresentam o acúmulo de tártaro e sinais de gengivite, como sangramentos e inchaço dos tecidos moles. Porém, não é qualquer paciente que é indicado a passar por cada tratamento, pois pode haver contraindicação. “Pacientes com marca-passo não devem realizar procedimento de remoção de tártaro com ultrassom periodontal, pois este aparelho altera o ritmo”, comenta Sofia. Para casos como esse, por exemplo, a raspagem com o uso de instrumentos manuais é o mais indicado.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Sofia Cabaleiro - Endodontista

Belo Horizonte, MG
CRO-MG: 34919