Viver com qualidade é saber cuidar da saúde e tê-la sempre em dia. Por isso, aprendemos desde cedo que é preciso ter as consultas regulares aos médicos, seguir uma alimentação saudável e fazer atividades físicas. Esses são os cuidados básicos para todos os pacientes. Entretanto, com o passar dos anos, é essencial ficar atento a algumas mudanças desses hábitos. “Da mesma forma que nosso corpo se transforma e demanda cuidados mais específicos em cada fase da vida, nossa saúde bucal também muda”, explica a dentista Katyuscia Lurentt Pensando nisso, o Sorrisologia conversou com a profissional sobre os principais cuidados com a saúde bucal, desde a infância até a terceira idade.

Ao nascer os primeiros dentes, o pequeno já deve ir ao dentista

Durante os primeiros anos de vida, os pais são os responsáveis por todos os cuidados com o filho. E nessa lista também está a atenção com a saúde bucal do pequeno. Segundo a odontologista, ao nascimento dos primeiros dentinhos, os responsáveis já devem levar a criança ao dentista. Além disso, na infância é o momento do pequenos aprenderem sobre os cuidados. “A alimentação influencia bastante a higienização, principalmente pelo consumo de doces. Não à toa costumam aparecer às cáries nessa fase”, alerta ela. Por isso, nessa etapa é importante incentivar e orientá-los sobre os hábitos corretos de higiene bucal.

Dessa maneira, os problemas bucais possíveis podem ser minimizados, como através da retirada de restos de alimentos dos dentes e gengivas. Outra dica de Katyuscia é que as crianças utilizem creme dentais com flúor, como uma ajuda na proteção. E ainda, outros quadros são comuns do mesmo modo durante a infância. “Gengivite e periodontite também são problemas comuns, originados pela má escovação, má alimentação ou problemas de oclusão. Também são comuns os dentes quebrados e cortes na boca, comum à agitação da fase”, destaca a especialista.

Os problemas bucais na fase adulta podem ser mais graves

As cáries e doenças gengivais também são comuns na fase adulta. “Porém as consequências podem ser mais graves levando ao tratamento de canal, ou a gengivite, por exemplo, pode se tornar uma periodontite”, destaca ela. Vale enfatizar que nesses casos o paciente pode até perder do dente. Outro possível problema recorrente em adultos é o bruxismo, já que é agravado nessa fase devido o estresse da rotina.

Para aqueles que dão início ou seguem o tratamento adequado, o problema pode ser levado até a terceira idade. “Além de tratar as causas, é indicado o uso de placas noturnas que evitam o desgaste do dente”, orienta. Para completar, a odontologista indica manter as consultas regulares ao dentista, hábitos alimentares saudáveis e higienização correta. E, para evitar transtornos ligados ao estresse, faça exercícios físicos e cultive a prática de hobbys.

Fique atento também aos cuidados na terceira idade

Assim como ressalta a dentista, a sensibilidade dentária é um problema comum na terceira idade, resultado das cáries e gengivite. “Principalmente se houver recessão gengival, que é bastante comum nessa idade”, completa. Outro possível quadro são inflamações e feridas, causadas pelos próteses dentárias mal adaptadas, que são recorrentes nessa idade. Fatores da rotina também podem ser os causadores de problemas na terceira. “Boca seca pode ser um efeito colateral comum pelo uso de medicamentos, assim como a halitose. Da mesma forma, uma alimentação defasada pode atingir os dentes e a gengiva”, esclarece Katyuscia. Além disso, para os pacientes fumantes ao longo da vida, há risco de câncer de boca. Pensando nisso, a especialista indica manter as idas frequentes às consultas ao dentista e os cuidados com alimentação e limpeza bucal adequada.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Katyuscia Lurentt - Especializada em malformações da face e cirurgia ortognática e pós-graduada em cirurgia bucomaxilar
Rio de Janeiro - RJ
CRO-RJ: 31787