Você já pensou em usar piercing? O acessório que chama a atenção e faz sucesso principalmente entre os jovens, pode ser de diversos modelos e estar localizado em diferentes partes do corpo, inclusive na boca. Essas jóias se transformaram em uma forma de expressão do indivíduo, como afirma a dentista Sophia Cabaleiro. No entanto, antes de pensar no visual, é importante se atentar para os riscos que ele pode trazer para a saúde bucal. Confira essa lista e anote as dicas e os cuidados necessários se você usa piercing.

Local e material escolhidos influenciam nos riscos

As opções são muitas quando se trata desse acessório. Além de existirem vários modelos, os materiais com que podem ser feitos também são diversos. Aço cirúrgico, titânio e ouro são algumas das alternativas mais adequadas. Outro aspecto relevante é a região do corpo em que o objeto vai ser aplicado. Além das mais comuns, como orelha, sobrancelha, nariz, umbigo e septo, também existem partes da região bucal como lábio inferior, freio lingual, freio labial, bochecha e língua. Essa decisão é crucial no que se refere à possibilidade do surgimento de problemas.

Atenção! Infecção, alteração de cor e problema no coração estão entre os riscos

“O meio bucal é composto por milhões de bactérias, por isso o risco de infecção dos piercings nessa região é grande”, afirma a profissional. E esse perigo se torna ainda maior quando a parte de higienização é negligenciada. Além do risco de infecção, segundo Sophia, um piercing também pode acarretar em laceração e recessão de tecido gengival, fratura de estrutura dentária ou de restaurações já existentes, alteração de cor do dente e necrose pulpar, resultando na necessidade de um tratamento de canal nesse último caso. “Além disso, pode até mesmo causar um problema na válvula do coração”, alerta ela. Esse quadro é conhecido como endocardite bacteriana, e pode ser decorrente de uma infecção crônica e não controlada no meio bucal.

Caso o piercing cause algum problema para a saúde bucal, qual deve ser o tratamento?

Se o seu piercing bucal apresentar algum problema, a primeira atitude é consultar um profissional da área odontológica. “Ele irá fazer o correto diagnóstico da causa deste problema”, afirma a dentista. Além disso, ele vai passar as orientações para resolvê-lo da forma mais saudável e menos arriscada para a sua saúde.

No entanto, antes que os problemas surjam, a melhor escolha é se prevenir contra eles. “Melhor ainda seria se o indivíduo que possuísse este acessório fosse às consultas preventivas com seu dentista de 6 em 6 meses para se assegurar de que está, de fato, tudo bem”, diz ela. Isso é importante pois alguns dos riscos citados podem ocorrer de forma silenciosa, como a recessão gengival e necrose pulpar. “Somente um profissional da área poderia fazer o diagnóstico com antecedência, analisando parâmetros cabíveis apenas à área odontológica”, finaliza.