Produto Relacionado:

A perda de um dente é um dos casos mais extremos que podem acontecer com a nossa boca. Seja por falta de escovação, quebra ou idade, ninguém deseja ficar sem um dos dentes, o que ainda pode causar mais problemas à saúde bucal. No entanto, a odontologia conta com a ajuda dos implantes dentários para casos como esses. Mas esses dispositivos também demandam uma atenção redobrada ou podem causar ainda mais problemas. Você sabe o que é peri-implantite? Com as orientações do dentista Nelson Alfarano, entenda como esse quadro pode prejudicar a sua saúde bucal e o implante dentário.

O que é peri-implantite?

Uma saúde bucal em dia não está restrita apenas a brancura dos dentes. A gengiva, importante tecido mole da cavidade, também precisa de atenção. Sua principal função é a sustentação e proteção dos dentes, assim como dos implantes dentários. Nesses casos, se os cuidados não forem seguidos, podem aparecer problemas como a peri-implantite. “É um processo inflamatório que atinge os tecidos moles e o osso ao redor do implante dentário”, explica o profissional. Em quadros mais graves, como a perda do osso, pode também resultar na eliminação do implante.

Entenda o que pode influenciar o aparecimento dessa infecção

A peri-implantite pode ser resultado de algum trauma oclusal que o paciente tenha passado. No entanto, os principais causadores dessa doença estão ligados a falta de higiene bucal ou escovação incorreta. “Os microrganismos patogênicos da placa bacteriana agridem a gengiva em torno do implante causando vermelhidão, edema, dor, sangramento, perda óssea e, por último, a perda do implante”, esclarece Nelson. Vale destacar que essa infecção é mais comumente vista em pacientes com implantes dentários, em especial por acontecer mais rapidamente do que nos dentes naturais.

Como é feito o tratamento da peri-implantite?

Assim como é destacado pelo dentista, quanto mais cedo for detectada e tratada a doença, há mais chances de uma recuperação satisfatória. “Os tratamentos consistem em procedimentos clínicos realizados no consultório, instrução de higiene oral e, em casos mais avançados, com intervenções cirúrgicas reparadoras”, comenta o profissional. Além disso, é necessário ficar atento aos hábitos diários de limpeza bucal para se prevenir e fugir desse problema. Para isso, Nelson indica seguir os passos da escovação corretamente, usar o fio dental e antisséptico bucal. E ainda, mantenha as visitas periódicas ao consultório, para que o odontologista avalie sua saúde.