Muitas situações podem fazer com que os dentes fiquem com uma coloração diferente da natural. Eles podem assumir um tom alaranjado, cinzento ou até esverdeado… Mas você sabia que essas manchas são divididas em dois grupos? “Depósitos sobre os dentes são denominados manchas extrínsecas, ou seja, que não pertencem à essência do dente”, explica o dentista Johnathan Marcondes. Já quando a mudança de cor se origina de uma alteração interna, elas são chamadas de manchas intrínsecas ou dentes pigmentados. O tipo de mancha vai influenciar no tratamento mais adequado. Entenda cada um desses casos!

Manchas na parte de dentro do dente

As manchas internas, ou intrínsecas, são aquelas na parte de dentro do dente, que ocorrem devido a situações orgânicas. Os fatores que provocam essas condições podem decorrer de medicamentos usados no tratamento de canal, ou também de pigmentos da decomposição do sangue. Essa situação ocorre quando acontece um derramamento dele dentro do dente por traumas, batidas e fraturas dentárias. Certas doenças no nascimento e na infância, como a icterícia neonatal e a fibrose cística, por exemplo, também podem resultar nessa alteração de cor.

Além disso, “crianças tratadas com antibiótico do grupo químico das tetraciclinas, durante o período de formação dos dentes, têm um grau de pigmentação nas coroas”, afirma o profissional. Isso acontece porque esse medicamento dificulta a formação do esmalte e da dentina, provocando alterações na estrutura e na cor dos dentes. Mas fique atento! É importante não fazer confusão: nem todo antibiótico altera os dentes, mas é preciso estar sempre atento à higiene bucal, principalmente quando se consome esse remédio em forma de xarope, que contém açúcar.

Manchas externas: originadas por substâncias depositadas no esmalte

Substâncias capazes de manchar os dentes se depositam sobre os defeitos do esmalte ou se aderem a ele, originando as manchas externas, ou extrínsecas. “Elas podem ser de origem microbiana, de substâncias contendo ferro usadas por via oral, medicações ou determinados tipos de alimentos”, afirma ele. Além disso, elas podem se apresentar em diferentes tonalidades: verdes, observada com mais freqüência em crianças e jovens; alaranjadas, normalmente na porção do dente mais próxima à gengiva; e negras, no contorno gengival e em áreas ásperas ou depressões.

Como deve ser realizado o tratamento em cada caso?

As manchas do tipo extrínseco podem ser removidas pelo dentista, com a limpeza adequada e o polimento dos dentes. “Essas manchas aparecem, com mais freqüência, em bocas em que a higiene é deficiente”, afirma ele. Portanto, a melhora na limpeza e o controle da placa bacteriana minimizam as chances de que elas retornem. “Manchas extrínsecas não conseguem aderir em superfícies de dentes limpos, polidos e brilhantes”, garante.
As intrínsecas, por outro lado, são de mais difícil remoção, por serem originadas na maioria das vezes por alterações orgânicas. No entanto, não precisa se preocupar! Atualmente já é possível encontrar um branqueamento vital para dentes com esse tipo de mancha. “Essa técnica se tornou bastante conhecida, e inclui um procedimento cosmético seguro que permite o clareamento dos dentes”, diz o profissional.