Uma gengiva saudável é um dos fatores que compõem um belo sorriso. De cor rosada, firme, cobrindo toda a raiz do dente e sem apresentar sangramentos. Essas são as características que a gengiva deve apresentar. Entretanto, nem sempre é isso que acontece… Se sua gengiva está inchada ou apresenta sangramento, a gengivite logo passa pela sua cabeça. Será que esse sinal pode indicar outras doenças? A dentista Michele Caldas esclarece o que isso pode significar e como saber qual o diagnóstico correto.

Placa bacteriana: principal causadora da inflamação

A principal causa de inflamação na gengiva é o acúmulo de placa bacteriana. A exposição do tecido gengival à placa dental resulta na inflamação dele, e esse é considerado um sinal clínico de gengivite. Entre os indícios desse quadro estão alterações de cor, tamanho, forma, consistência e tendência a sangramento. “É comum que o paciente se queixe de sangramento durante a escovação e halitose”, acrescenta a dentista. A dor, no entanto, geralmente não é uma característica da gengivite induzida por placa dental. Temperatura elevada na região da gengiva também tem sido uma característica da inflamação induzida por placa.

A placa, primeira causadora dessa doença, pode ter seu acúmulo aumentado pela presença de alguns fatores. Cálculos dentários, restaurações deficientes, escovação deficiente  e asperezas na superfície do dente estão entre eles. “Esses fatores locais facilitam a sua retenção nas áreas marginais e papilar”, explica.

Gengiva inflamada pode ser sinal de outros quadros?

As doenças gengivais podem estar associadas a fatores endócrinos. A gravidez é um exemplo em que ocorre uma resposta exagerada da gengiva aos irritantes locais. Essa resposta exagerada é resultado de níveis de hormônios endógenos altos, como: androgênio, estrogênio e progesterona. “Frequentemente eles aparecem durante o segundo trimestre da gravidez e regridem após o parto”, esclarece. Mas não se preocupe! A condição pode ser reversível com um controle apropriado da placa.

A gengiva inflamada ainda pode estar associada à má nutrição, como por exemplo à deficiência de vitamina C, que pode resultar em escorbuto. Esse quadro tem como primeiros sintomas inchaço, sangramento e alteração do tecido gengival.

Condições sistêmicas como o diabetes mellitus e leucemia, ou ao uso de certos medicamentos também entram na lista. Segundo a dentista, existem três tipos de drogas usualmente utilizadas que causam um aumento gengival: anticonvulsivantes, ciclosporina A, que é um imunossupressor, e drogas anti-hipertensivas. “As manifestações clínicas destas drogas são similares nos três tipos de medicamentos”, afirma.

Use fio dental e visite seu dentista!

Para descobrir o diagnóstico correto nesses casos é necessário o auxílio de um profissional. O autoexame é importante para que se perceba os primeiros sinais e marque logo uma consulta. O tratamento ideal vai depender da avaliação feita pelo profissional, que vai orientar os cuidados necessários.

Para garantir uma gengiva saudável é importante caprichar no uso do fio dental diariamente. Associado com uma boa escovação, o hábito faz toda diferença na prevenção dessas inflamações. Além disso, visitas de rotina ao dentista devem ser feitas, para que se perceba cedo possíveis sinais de problemas.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Michele Caldas - Especialista em Periodontia e em Implantodontia
Rio de Janeiro - RJ
CRO-RJ: 28587