Seja para quem deseja um sorriso mais branco e brilhante, como para quem deseja reparar um dente escurecido por trauma, por exemplo, o clareamento dental é a solução mais indicada nesses casos. O procedimento, que pode ser feito tanto em consultório dentário quanto de forma caseira - sempre com orientações profissionais - é cada vez mais procurado por diversas pessoas. Entretanto, pode acontecer do resultado acabar não saindo exatamente do jeito que você desejava. Existe uma solução imediata? Confira a orientação do dentista Cláudio Heliomar sobre esse acontecimento.

Como é feito o clareamento dental no consultório?

O clareamento dental no consultório é uma opção muito procurada pelos pacientes. “O procedimento pode ser realizado por métodos químicos ou físicos”, explica o profissional. No clareamento físico emprega-se a luz violeta em comprimento de onda com uma intensidade específica. Para o clareamento químico, existem os géis clareadores que possuem o peróxido de hidrogênio como base. Esses compostos podem variar de 30 a 40% em suas concentrações, e ainda clarear mais rapidamente com a ajuda de leds azuis com a potência elevada. Essa energia luminosa é provinda dos equipamentos do dentista, sendo somente ele capaz de lidar com ela.

Fiz o clareamento e não ficou como queria. Posso fazer outro novamente logo em seguida?

Pode acontecer do paciente realizar o procedimento e não alcançar o efeito esperado, já que o clareamento não possui uma certeza quanto ao resultado ser o mesmo das expectativas. “Muitos acreditam que técnicas de clareamento dental vão branquear os dentes a tons extremamente brancos, o que nem sempre acontece”, comenta Cláudio. Pensando nisso, vale ressaltar que a denominação do tratamento, “clareamento”, significa uma atenuação da cor. Dessa maneira, o dentista indica que aguarde, no mínimo, seis meses para realizar um novo processo clareador. Esse cuidado com o tempo é importante para evitar agressões aos tecidos moles, como gengiva e polpa. Se for feito de maneira excessiva, o paciente pode sofrer com inflamações, calcificação e necrose pulpar nos casos em que for usado métodos químicos.

E qualquer paciente pode fazer clareamento dental?

Assim como os demais procedimentos dentários, para o paciente realizar o clareamento é necessário uma avaliação clínica cautelosa. “O dentista avaliará as condições sistêmicas e locais do paciente”, orienta o profissional. Pensando nisso, o odontologista destacou alguns quadros que impossibilitam o cumprimento do clareamento dental:

- predisposição ao câncer;

- ser fumante;

- estar grávida ou amamentando;

- ter disúrbios gástricos, como gastrite e refluxo;

- ter sensibilidade dentária, lesões de cárie e restaurações defeituosas;

- ter alguma doença periodontal ou áreas de dentina expostas.