Manter visitas regulares ao consultório do dentista é uma maneira muito eficaz de cuidar da sua saúde bucal. Além disso, outros cuidados diários não devem ser deixados de lado, como a higiene dos dentes, língua e gengiva. Descuidos do paciente podem acabar resultando em algum problema. E então, em casos extremos, a extração do dente pode vir a ser a única solução - e ninguém quer passar por isso, certo? O Sorrisologia conversou com o dentista Sílvio Pardo para entender em quais casos o procedimento é necessário.

O que pode levar a necessidade de extração do dente?

Chegar no dentista e receber a notícia de que é preciso extrair o dente é algo que ninguém quer ouvir. No entanto, casos como esse podem acontecer. “Algumas situações distintas podem levar o dentista a indicar a extração de um dente”, comenta o profissional. A exemplo disso, Sílvio destacou exemplos de casos como cáries muito extensas que destruíram a coroa ou raiz do dente, trauma oclusal, infecção do canal com destruição óssea periapical irreversível, excesso de álcool e fumo, entre outros. “Quando o periodonto de sustentação desse dente for incapaz do ponto de vista mecânico para manter esse dente estável quando mastigamos”, acrescenta.

Após a extração, quais são os cuidados necessários?

Assim como qualquer outro procedimento odontológico, a extração do dente demanda alguns cuidados do paciente após ser realizado. “Nos dois primeiros dias, não fazer bochecho, pois pode desprender o coágulo e levar a sangramentos”, ressalta. Além disso, outras precauções importantes são: evitar alimentos quentes, prática de esportes, água de piscina, rio e mar, exposição ao sol em excesso e sempre manter a higiene bucal e uma boa alimentação. E ainda, siga a receita de medicação indicada pelo profissional.

Quais são as possibilidades para reorganizar o sorriso após a extração?

Um incômodo possível que a extração do dente pode trazer é a desarmonia no sorriso do paciente. Por isso, existem possibilidades para solucionar também essa questão. Um exemplo é a colocação de um implante de titânio, que é indicado a ser instalado, imediatamente, após a remoção do dente. “Assim, evita a reabsorção óssea da área, permite a instalação de uma prótese provisória fixa, mantém a naturalidade do sorriso, a fonética não é alterada e não modifica a expressão facial”, justifica Sílvio. Enquanto isso, nos casos de falta de osso ou gengiva após a extração, enxertos são a solução para instalar o implante posteriormente.