Produto Relacionado:

Existem muitas vantagens em colocar implante dentário, que agregam desde a saúde bucal até o bem-estar do paciente. Não é apenas repor um espaço vazio no sorriso, é também devolver a qualidade de vida de uma pessoa. Mas antes de aderir ao procedimento, muitos pacientes costumam ter dúvidas sobre a possibilidade de rejeição do implante, peça de titânio que substitui a raiz do dente. Será mesmo que o corpo humano pode reprovar a instalação deste material? A especialista Camila Sodré tem algumas informações importantes sobre o assunto.

O paciente pode rejeitar o implante dentário?

Com a evolução da odontologia, os implantes dentários são cada vez mais indicados como um dos principais tratamentos reabilitadores por melhorar bastante o desempenho estético e funcional dos pacientes. Por conta disso, a dentista explica que é comum muitas pessoas terem receio de um implante rejeitar. Porém, ela garante que não existe essa possibilidade. “O que ocorre, na verdade, são muitas complicações que podem acarretar ou favorecer a perda do implante devido à ausência de osseointegração, levando, consequentemente, ao insucesso do tratamento”, revela.

Mas o que é a osseointegração? É a união perfeita entre o osso do dente e o implante dentário. “Neste processo, ocorre um suporte estável, ausência de dor e inflamação, além da falta de mobilidade aparente de uma prótese sob cargas funcionais”, caracteriza. Ou seja, é a cicatrização que acontece após a implantodontia.

Entenda melhor como funciona!

O pino utilizado no tratamento normalmente é feito de titânio, um elemento biocompatível e que não ocasiona nenhuma rejeição pelo organismo do paciente. “Além de ser bem pesquisado e aceito na literatura, esse material é indicado para diversos tratamentos médicos, como a ortopedia, e odontológicos, no caso da implantodontia”, esclarece. Por isso, fique tranquilo e elimine a possibilidade do implante ser recusado pelo seu sorriso.

Procure um bom profissional e garanta um ótimo tratamento

Existem muitos fatores capazes de impedir o processo de osseointegração. Dentre eles, estão algumas doenças como diabetes e periodontite, casos de pacientes fumantes, falta de osso na região que recebeu o implante ou um diagnóstico incorreto e mal planejamento da cirurgia. Entretanto, tudo isso pode ser evitado com ajuda de um bom especialista. “É imprescindível que o profissional seja consciente e bem treinado para garantir e aumentar as chances de sucesso da cirurgia de implantes dentários”, finaliza.