Só se olhar no espelho e dar uma verificada no dentes não quer dizer que está tudo bem. A saúde bucal, assim como as demais partes do corpo, demanda atenção e cuidados. Além disso, é preciso consultar-se com o dentista periodicamente para acompanhar a situação, já que muitos problemas bucais podem não ser visíveis. A mordida cruzada, por exemplo, é um problema comum e que diversas pessoas possuem, muitas, porém, sem saber. A dor de dente é um indicador, mas somente seu dentista pode dar o diagnóstico correto. Confira as orientações da dentista Sofia Cabaleiro sobre o assunto.

O que é a mordida cruzada?

“A mordida cruzada é uma condição de má oclusão, onde o paciente tem um desvio nessa mordida”, afirma a profissional. Para ajudar a entender esse problema, imagine uma caixa. A tampa, para ser encaixada de maneira correta, precisa ser, pelo menos um pouco, maior que a parte de baixo, certo? E é assim que funciona sua arcada dentária também. Pois então, a mordida cruzada faz o contrário disso, já que a arcada superior encaixa dentro da anterior, trazendo prejuízos para sua saúde bucal.

Entenda como a mordida cruzada pode trazer prejuízos para você

Ainda sobre o exemplo da tampa da caixa, conseguimos entender melhor como isto pode causar problemas. Se a arcada superior fica para dentro da inferior, um dos principais prejuízos acontece com a mastigação, além de atrapalhar também, de maneira direta, o sistema estomatognático (relativo às estruturas bucais). E ainda, a dentista ressalta que a mordida cruzada pode afetar a fonação e deglutição do paciente, dependendo do grau da má oclusão.

A dor de dente pode ser um sintoma da mordida cruzada?

Ambos os problemas podem apresentar uma relação sim. “A mordida cruzada pode gerar traumas oclusais causando dores no lado de maior toque, desconforto muscular e articular (ATM)”, explica a profissional. Além da dor de dente, a mordida cruzada pode causar desvio da linha média, mastigação comprometida e assimetria facial. Por isso, é de suma importância ficar de olho na saúde bucal.

A melhor maneira de evitar incômodos como os citados acima é ir ao consultório do dentista, em média de seis em seis meses. No caso de pacientes com mordida cruzada, a odontologista orienta que seja procurada um especialista em Ortodontia. Ele é responsável por corrigir a posição dos dentes, de maneira correta, e dos ossos maxilares que estão orientados inadequadamente. “Somente este profissional saberá diagnosticar a causa do problema e intervir da maneira correta”, comenta a dentista.