Distúrbios alimentares são diferentes tipos de comportamentos que prejudicam seriamente a saúde de um indivíduo, de forma geral. Esses quadros são patologias psicológicas, por isso o tratamento deles precisa abordar diferentes aspectos. Entre as possíveis consequências desses transtornos estão incluídos também danos à saúde bucal, sendo a erosão dentária um dos principais riscos. Pensando nisso, a dentista Thalita Costa esclareceu para o Sorrisologia como deve ser feito o tratamento com esses pacientes.

Entenda os transtornos alimentares

Entre os distúrbios alimentares mais comuns estão a bulimia, anorexia e o transtorno de compulsão alimentar. A pessoa que apresenta bulimia come em grande quantidade. Vômitos forçados, uso de laxantes e diuréticos, jejum e exercícios físicos excessivos fazem parte da rotina de quem é portador desse transtorno. Na anorexia, por sua vez, a pessoa tem uma restrição alimentar severa. “Em ambos os casos, os pacientes se auto-avaliam com excesso de peso, com distorção real da imagem delas próprias”, explica a dentista. Já quem possui transtorno de compulsão alimentar, perde o controle sobre o consumo de alimentos, mas não segue comportamentos compensatórios como exercício físico excessivo ou jejum.

Como distúrbios alimentares podem causar erosão dentária?

Na Odontologia, a bulimia tem um grande destaque como causa de erosão dentária. Esse quadro pode ser definido como a dissolução de minerais dentários para o meio bucal, o que leva a perda de estrutura dental progressiva, começando com o esmalte e depois seguindo para a dentina. “Essas perdas são de médio a longo prazo e irreversíveis”, alerta. Elas podem ser causadas por ácidos presentes tanto em bebidas, comidas e até estomacais.

Devido ao vômito forçado praticado pelo paciente com bulimia para expulsar toda a comida ingerida, os ácidos estomacais passam pela boca e entram em contato com os dentes, provocando essa dissolução. “Diferente dos alimentos e comidas, o ácido clorídrico é muito forte e as consequências são visíveis mais rapidamente”, explica. Essa mesma situação acontece com pacientes que apresentam refluxo gastroesofágico. No transtorno de compulsão, também podemos observar erosão ácida, além de cáries, pela grande quantidade de alimentos e bebidas.

Possíveis consequências da erosão

Em casos de erosão ácida, além da dissolução de minerais com a perda de estrutura dental, visivelmente observamos um dente liso, e em casos extremos até mesmo sem forma. Em algumas situações, é possível apresentar sensibilidade por conta da perda da camada protetora de esmalte. Além disso, podem ocorrer recessões gengivais e coloração mais amarelada ou amarronzada, por causa da dentina exposta.

Tratamentos psicológico e odontológico devem ser combinados

Segundo a dentista, o tratamento para os pacientes com distúrbios alimentares deve ser, primeiramente, ajuda psicológica. “Então, eliminando a causa primária, podemos tratar definitivamente com pastas dessensibilizantes, aplicação de flúor, restaurações de resina composta, ou coroas”, esclarece. Essas medidas devem ser associadas a orientações de escovar os dentes com cerdas ultra macias, com movimentos suaves de toque, evitar alimentos e bebidas ácidas e escovar 30 minutos após a ingestão de qualquer alimento. Isso ajuda a saliva a diluir os ácidos alimentares que diminuem o PH da boca imediatamente, diminuindo as chances de ocorrer a erosão.