Hoje em dia, a visita ao dentista deixou de ser apenas ligada a simples limpeza ou restauração dos dentes. A cada dia que passa, aprendemos mais sobre a conexão direta entre a saúde oral e a geral. Uma alimentação balanceada é o segredo para uma vida saudável. Junto com a prática de exercícios, ela evita o surgimento de diferentes tipos de doenças. Mas como será que isso afeta a saúde bucal? E a higiene dessa região? A dentista Beatriz Venturi explica.

Os alimentos ingeridos podem afetar a higiene bucal?

“A boca é a porta de entrada da saúde geral”, afirma a dentista. E o aspecto nutricional tem um papel fundamental nesse sentido. Ela explica que se o organismo não recebe a nutrição adequada, isso gera alterações em vários locais da boca. Muitas vezes, as alterações bucais são o primeiro sinal de alerta do organismo. “É o seu corpo pedindo certo tipo de nutriente do qual ele está carente”, explica.

Além disso, o fato de um alimento ser mais difícil de ser removido das superfícies dentárias durante a higienização também pode ser prejudicial à higiene da boca. Portanto, não só o tipo de alimento é importante, como também a sua consistência.

Alimentação pode ser ameaça ou aliada

Alguns tipos de comida podem trazer benefícios para a saúde bucal. Eles são considerados como “detergentes” pois atuam eliminando resíduos de outros alimentos que ficaram aderidos à superfície dental. Entre eles estão a pêra, maçã, cenoura e laranja. Por outro lado, existem aqueles que representam perigo para essa região. “O açúcar presente em doces provocam a queda do pH que causa a desmineralização do dente, aumentando o risco de cárie”, esclarece.

Além disso, alguns exemplos de carências nutricionais podem ainda causar manifestações bucais. A falta de ferro, por exemplo, pode resultar em aftas, língua careca, feridas no canto da boca, queimação bucal, tendência a infecções oportunistas e até mesmo aumento do risco de câncer de boca. Por sua vez, a escassez de vitamina C pode resultar em sangramento gengival, mobilidade dentária, retardo na cicatrização, alteração do paladar, tendência à cárie, doença periodontal e doenças oportunistas. Entre essas carências que podem prejudicar a saúde da boca estão também a falta de cálcio, zinco, magnésio e das vitaminas D, B2, B3 e B12.

É preciso deixar de comer algum tipo de alimento?

No entanto, mesmo que existam alimentos melhores para o sorriso do que outros, isso não significa que seja preciso eliminar totalmente o consumo de nenhum deles. “Não há necessidade de deixar de comer nada, mas de se seguir uma nutrição saudável, como recomendado por uma nutricionista”, explica Beatriz. Com essa alimentação equilibrada associada à escovação após as refeições e uso do fio dental diário, mais o acompanhamento regular de um dentista, a saúde bucal fica fora de perigo.