Dos alimentos à tampa da caneta que, sem nem percebermos, levamos à boca, abrimos caminho para invasores indesejados. São tantos os seres invisíveis que podem habitar nossas bocas que o órgão é, fácil, o mais exposto do corpo humano aos processos infecciosos. A questão é que essas bactérias causam probleminhas que precisam ser combatidos. A preocupante cárie, o temível tártaro, e o indesejado mau hálito são alguns dos principais motivos de queixas no consultório do dentista. Vem com a gente descobrir o que tira o sono de quem não está com os dentes em forma.

A cárie é uma doença “carinhosamente” transmissível

A cárie nada mais é que uma lesão provocada pelas bactérias, que são as inimigas dos dentes saudáveis. Naquele processo de se apropriar do que nos serve de alimento, a cárie ganha força e produz ácidos que corroem o esmalte dentário, gerando os famosos “buracos”. O mais preocupante é que essa doença pode ser transmitida de uma pessoa para outra; seja em um beijo ou até num simples compartilhamento de talheres. O problema é que, para a cárie, o céu é o limite e, se não tratada, pode acabar sendo preciso extrair o dente.

A placa bacteriana desenvolve-se com os restos de alimentos deixados para trás

As bactérias são seres gulosos. Não satisfeitas em formar uma espécie de película indesejável sobre o dente, elas ainda aproveitam os restos dos alimentos que ficam por ali (ou até na saliva) para retirar os nutrientes e se desenvolver. Assim, acabam liberando um ácido que ataca a superfície do dente e o deixa bastante vulnerável às cáries. É fácil remover essa placa com uma escovação eficiente, mas se isso for deixado de lado, a situação evolui para o tártaro, que é uma versão mais “durona” – literalmente – do problema.

O tártaro é inimigo dos dentes e gengivas

Se aquela “capa” de bactérias não for removida, ela se transforma no tártaro, ruim para o visual e ainda pior para a saúde. É aquela mancha amarela ou até amarronzada na parte inferior dos dentes, que também é chamada pelos experts como “cálculo dental”. Nesse estágio, os invasores da boca são capazes de evoluir para doenças periodontais, que afetam o suporte dos dentes, ou seja, o osso, o ligamento e a gengiva. Por isso, a única forma de remover o tártaro de vez é no consultório do seu dentista preferido.

Mau hálito: o problema bucal que você sente de longe

O mau hálito avisa logo a que veio: causar um desconforto que pode afastar as pessoas de você. Esse é um sintoma bem claro de que algo no organismo não vai bem. Claro que há outras possíveis origens para o cheirinho ruim que é exalado pela boca, como problemas estomacais e afins, mas a principal fonte do que também é conhecido como “halitose” é bucal. Pode ser consequência de má higiene, geração de pouca saliva ou até culpa de feridas cirúrgicas que ainda estão curando, mas é fato que é uma situação chata. Já percebeu que muitas vezes o portador do mau hálito não percebe que tem essa condição? Então, vale ser amigo e alertar – com discrição – para que a pessoa possa procurar ajuda profissional e descobrir como resolver.

Periodontite: um inimigo silencioso que pode fazer você perder os dentes

Se com o mau hálito e a cárie é fácil identificar que algo está errado com os dentes, com a periodontite já é mais complicado. A questão é que os sintomas do que é uma inflamação e infecção nas gengivas são mais sutis e podem levar um tempo até ser percebidos. E aí, se diagnosticado em um momento muito avançado, o problema se estende para os ligamentos e ossos que dão suporte aos dentes, podendo até acabar em uma extração.

Segundo o especialista em Implantes e Periodontia Sérgio Siqueira Junior, “a periodontite raramente dói e o paciente só percebe seus sintomas quando a doença já está de moderada a avançada. São sintomas como sangramento, mobilidade dentária, mau hálito, entre outros". Tida como a principal causa de perda de dentes em adultos, a periodontite pode ser curada se descoberta na fase inicial, com chances de não ser preciso tirar o dente.