Ficar com a bochecha inchada com certeza é uma sensação bem desagradável. Além da questão estética, esse problema pode atrapalhar sua vida em muitos outros aspectos. Quando se trata de saúde bucal, não se deve brincar, portanto ao menor sinal diferente é importante sempre procurar um profissional. Pode parecer que não é nada, mas a bochecha inchada, aliada a outros sintomas, pode ser um sinal de problemas mais graves. Você sabe quais? A dentista Dulce Cabelho esclareceu o que significa esse quadro e o que deve ser feito nessa situação.

Bochecha inchada como sinal de problemas bucais

Há inúmeras doenças relacionadas ao rosto inchado ou aumento do volume da face. “Popularmente chamado de bochecha inchada, esse sinal pode um dos principais fatores relacionados a problemas bucais como abscessos crônicos ou agudos”, explica a dentista. Sensibilidade, acúmulo de pus nas gengivas, dor latejante e persistente no dente ou na área ao redor, gengiva avermelhada e dente escurecido também podem estar entre os sintomas.

Quais são as causas desse quadro?

“Geralmente esse quadro está relacionado a dentes com restaurações fraturadas ou antigas, ou cáries infiltradas que levam a infecções da região do periápice dental”, afirma. Alimentos ou matéria orgânica que tenha sido acumulados na gengiva e doenças periodontais também podem resultar nesse problema. Portanto, é importante manter sua saúde bucal em dia e não deixar de tratar nenhum desses problemas. Quanto mais rápido é feito o diagnóstico e, posteriormente, o tratamento, menores são as chances de que as doenças se desenvolvam para quadros mais graves.

Possíveis consequências para a saúde

Segundo a profissional, infecções relacionadas a periápice trazem grandes riscos à saúde em geral. “Uma das principais doenças relacionadas é a endocardite bacteriana”, destaca. Esta doença é um processo infeccioso envolvendo a superfície do endocárdio. Bactérias que se originam na cavidade oral por conta de um problema bucal podem se espalhar pela corrente sanguínea e atingir outras partes do corpo, que estavam saudáveis, como o coração. “Quando grave, esse quadro pode até mesmo levar o paciente ao óbito, se não tratado a tempo”, alerta a dentista.

Como deve ser o tratamento?

Um passo necessário é o tratamento do dente envolvido. Além disso, deverá ser feita antibioticoterapia para controle da infecção, tanto local, como sistêmica. Um profissional deve ser consultado, e ele irá indicar o melhor tratamento para cada situação. O mais importante é consultar um dentista periodicamente e cuidar da higiene bucal, com hábitos como a escovação após refeições e uso do fio dental diariamente. Dessa forma, é possível se prevenir contra as doenças bucais, sem deixar que elas evoluam até situações mais graves.