Um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Câncer - Inca, prevê que o Brasil deve registrar cerca de 600 mil novos casos da doença em 2018. Por outro lado, crescem também os avanços da medicina com inúmeras possibilidades de tratamento e exames de acompanhamento. Mas, indivíduos que estão passando por esse quadro devem também ficar atentos a outras partes do corpo, como a saúde bucal. Muitos podem não saber, mas a Odontologia também está preparada para acompanhar pacientes oncológicos, contribuindo para a qualidade de vida. A dentista Liana França trouxe respostas e indicações sobre esse assunto.

Procure o dentista antes de iniciar o tratamento

Após receber a notícia do diagnóstico, diversas etapas na rotina do paciente começam a mudar mesmo antes do início do tratamento. Dentro dessa lista de afazeres é importante marcar uma consulta ao dentista. No entanto, muitas pessoas não são alertadas sobre esses cuidados. É que, a cavidade bucal é um ambiente repleto de microorganismos, e com a presença da doença, o paciente está mais exposto a desenvolver problemas bucais. “Assim, com a queda da imunidade decorrente do tratamento do câncer, esses microorganismos podem gerar problemas na boca e nos dentes”, explica a profissional.

Quais são os principais problemas que podem acontecer?

Através do acompanhamento prévio, o paciente oncológico consegue manter sua saúde bucal em dia. Esse cuidado também influencia no seu bem-estar. Entretanto, para quem não consulta o dentista antes de iniciar ao início do tratamento de câncer, pode deixar uma boa porta aberta a determinadas doenças bucais como dor de dente, infecção, xerostomia, gengivite e mucosite, destacados pela profissional.

Como é feita essa consulta com o dentista?

Para o caso de pacientes que irão começar o tratamento oncológico, a primeira consulta ao dentista durante essa etapa não deve ser deixada de lado. “O dentista irá fazer o diagnóstico e estabelecer um plano de tratamento para prevenir os problemas que podem ocorrer durante o tratamento do câncer”, esclarece Liana. Dessa maneira, alguns dos afazeres do profissional será a limpeza técnica dos dentes, remoção de focos de infecção, ajustes de próteses mal adaptadas e troca de restaurações deficientes, por exemplo. “Além disso, o dentista orienta sobre como fazer a limpeza cuidadosa da boca e os produtos adequados a serem utilizados”, completa a odontologista.

E o que fazer durante o tratamento oncológico?

As visitas ao consultório do dentista não devem ser apenas durante o período que precede o tratamento oncológico. Após o início deste, é indicado que o paciente dê prosseguimento às consultas recorrentemente. Conforme falado anteriormente, como ocorre um enfraquecimento do sistema imunológico, a cavidade bucal sofre consequências. “Problemas como mucosite, xerostomia, candidíase, herpes e cáries podem ocorrer durante o tratamento e o paciente precisa ser monitorado para o diagnóstico precoce dessas afecções”, alerta a dentista.